Os mistérios da glória na ótica vocacional
Sugere-se rezar nos domingos e nas quartas-feiras

A. (Animador): Irmãos e irmãs, estamos reunidos em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.

T. (Todos): Amém!

A.: “Este é o dia que o Senhor fez para nós. Alegremo-nos!” (cf. Sl 118,24). Somos convidados a nos gloriar, em nosso dia a dia, com Cristo pela sua ressurreição. Como vocacionados e vocacionadas do Senhor da messe, que traz a vida para seu povo, que faz brotar a esperança num chão onde às vezes não há mais fl ores, aproximemo-nos de sua vitória na cruz. Como missionários, levemos a Boa Nova da ressurreição a todos os povos na contemplação dos
mistérios gloriosos.


1º MISTÉRIO: RESSURREIÇÃO

A.: Eis a nossa vocação: anunciar a ressurreição de Cristo a todos os povos!

L1 (Leitor 1): “De repente, Jesus foi ao encontro das mulheres, e disse: ‘Alegrem-se!’. Elas se aproximaram e se ajoelharam diante de Jesus, abraçando seus pés. Então Jesus disse: ‘Não tenham medo. Vão anunciar aos meus irmãos que se dirijam para a Galileia. Lá eles me verão’” (Mt 28,9-10).

Canto (“Por sua morte”, de Carlos Alberto Navarro. In.: Canta Povo de Deus, São Paulo, Loyola, 1998)

Meu coração me diz:/ “o amor me amou/ e se entregou por mim”./ Jesus ressuscitou!/ Passou a escuridão,/ o sol nasceu./ A vida triunfou:/ Jesus ressuscitou!

L2: A nossa fé se fundamenta na ressurreição de Cristo. Portanto, como cristãos, acreditamos que o Senhor vive e reina eternamente. O fogo ilumina, dissipa as trevas, diminui o medo e a vida triunfa.

T.: Só Jesus Cristo é a luz que vence a noite, só ele traz de volta para nós a alegria quando a tristeza parece tomar conta de nossa vida.

L3: Senhor da messe, ensinai-nos a ser luz para todos. Que saibamos correr aos quatro cantos do mundo levando a boa notícia da ressurreição.

T.: Que a presença do vosso Filho ressuscitado seja o sentido de nossas vidas, para sermos fiéis e autênticos discípulos do vosso Reino de vida, paz e justiça.

Rezar um Pai-nosso e 10 Ave-Marias. 
(A cada mistério convém variar a recitação com diferentes solistas, procurando incluir as diversas vocações da comunidade).


2º MISTÉRIO: ASCENSÃO

A.: Eis a nossa vocação: não ficar olhando aos céus, mas sim, voltar a Jerusalém para a missão.

L1: “Enquanto os abençoava, afastou-se deles, e foi levado para o céu. Eles o adoraram, e depois voltaram para Jerusalém, com grande alegria. E estavam sempre no Templo, bendizendo a Deus” (Lc 24,51-53).

Canto (In.: CD Liturgia X, faixa no 17)

O Senhor subiu ao céu, aleluia, aleluia! (bis)

L2: Jesus permanece com os apóstolos 40 dias para lhes devolver a alegria. E se eleva ao céu não para afastar-se ou separar-se de seu povo, mas para abençoá-lo, com a promessa do Pai por meio da poderosa manifestação do Espírito Santo. “Cristo já foi elevado ao mais alto dos céus; contudo, continua sofrendo na terra através das tribulações que nós experimentamos como seus membros” (Santo Agostinho. In.: Sermo de Ascensione Domini, Séc. V).

Canto (idem)

O Senhor subiu ao céu, aleluia, aleluia! (bis)

L3: Antes de subir aos céus, Jesus ainda permaneceu com os seus discípulos falando-lhes do Reino. Assim, cada um de nós é responsável por continuar esse anúncio e por vivenciá-lo no meio do povo.

T.: Senhor da messe, fazei-nos discípulos vossos, dando-nos coragem e entusiasmo para testemunhar o vosso Reino de justiça aos que mais necessitam.

Rezar um Pai-nosso e 10 Ave-Marias.


3º MISTÉRIO: PENTECOSTES

A.: Eis a nossa vocação: colocar nossos dons a serviço da Igreja.

L1: “Quando chegou o dia de Pentecostes, os discípulos estavam reunidos no mesmo lugar... Apareceram, então, línguas como de fogo, que se espalharam e foram pousar sobre cada um deles. Todos ficaram repletos do Espírito Santo, e começaram a falar em outras línguas, conforme o Espírito lhes concedia que falassem” (At 2,1.3-4).

Canto (“Vem, Espírito Santo de amor”, de Fr. Luiz Turra, OfmCap. In.: Canta Povo de Deus, São Paulo, Loyola, 1998)

Vem, vem, vem. / Vem Espírito Santo de amor! / Vem a nós! / Traz à Igreja um novo vigor! (bis)

L2: “A Terra era sem forma e vazia, e o Espírito do nosso Deus se movia sobre a face das águas” (cf. Gn 1,2). E assim Deus vai criando cada um de nós: com o sopro de seu Espírito, que dá a vida, de graça e amor.

T.: Espírito Santo, que nos faz caminhar nas estradas do mundo.

Canto (idem)

Vem, vem, vem./ Vem Espírito Santo de amor!/ Vem a nós!/ Traz à Igreja um novo vigor! (bis)

L3: “O Espírito de Deus desceu sobre o Senhor como ‘espírito de sabedoria e discernimento, espírito de conselho e fortaleza, espírito de ciência e de temor de Deus’ (Is 11,2). É esse mesmo Espírito que o Senhor, por sua vez, deu à Igreja. E assim como a terra árida não produz fruto se não for regada, também nós, que éramos antes como uma árvore ressequida, jamais daríamos frutos de vida sem a chuva da graça enviada do alto” (Santo Irineu. In.: Tratado
contra os hereges).

T.: Senhor da messe, que possamos compreender cada dia mais a ação do Espírito Santo em nós, fazendo-nos operários no anúncio de vosso Reino, na vivência dos valores evangélicos juntos aos irmãos e irmãs.

Rezar um Pai-nosso e 10 Ave-Marias.


4º MISTÉRIO: ASSUNÇÃO

A.: Eis a nossa vocação: sermos servos do Senhor no anúncio da Palavra.

L1: “Pedro estava vigiado na prisão, mas a oração fervorosa da Igreja subia continuamente até Deus, intercedendo em favor dele” (At 12,5).

L2: No dia 1o de novembro de 1950, o papa Pio XII, na Constituição Apostólica Munificentissimus Deus (Deus munificentíssimo, que tudo pode), definiu o dogma da Assunção de Nossa Senhora. “Por um privilégio inteiramente singular ela venceu o pecado com a sua concepção imaculada; e por esse motivo não foi sujeita à lei de permanecer na corrupção do sepulcro, nem teve de esperar a redenção do corpo até ao fi m dos tempos”, afirmou o papa (n. 05).

Canto (“Ensina teu povo a rezar”, Pe. Zezinho, SCJ, CD 14, Cantigas marianas. In.: Louvemos o Senhor, 2002)

Maria de Jesus Cristo, / Maria de Deus, Maria mulher, / ensina a teu povo o teu jeito de ser o que Deus quiser. / Ensina o teu povo o teu jeito de ser o que Deus quiser.

L3: No jeito de Maria encontramos o jeito da mulher simples, forte e totalmente entregue aos desígnios de Deus. Maria é bendita entre todas as mulheres, pois respondeu a Deus com disposição e entusiasmo, mesmo diante das dificuldades.

T.: Senhor da messe, fazei-nos escutar a vossa voz. E, a exemplo de Maria, dai-nos coragem de nos apresentar, a cada dia, como operários e operárias que desejam fazer a vossa vontade. Que possamos dizer sempre “sim” ao vosso chamado!  
                    
Canto (idem)

Maria Senhora nossa,/ Maria do povo, povo de Deus,/ ensina o teu jeito perfeito de sempre escutar teu Deus./ Ensina o teu jeito perfeito de sempre escutar teu Deus.

Rezar um Pai-nosso e 10 Ave-Marias.


5º MISTÉRIO: COROAÇÃO

A.: Eis a nossa vocação: sermos humildes e disponíveis, a exemplo de Maria, nossa Mãe.

L1: “Filhas de reis saem ao seu encontro. De pé, à sua direita, está a rainha, ornada com ouro de Ofir. Ouça, filha, veja e incline o seu ouvido: esqueça o seu povo e a casa de seu pai, pois o rei se apaixonou por sua beleza. Prostre-se na frente dele, pois é o seu senhor!” (Sl 45,10-12).
Canto (“Ave, cheia de graça”, de Pe. José Freitas Campos. In.: Canta Povo de Deus, São Paulo, Loyola, 1998)

Ave, cheia de graça, / Ave cheia de amor! /: Salve, ó mãe de Jesus. A ti nosso canto e nosso louvor!:/

L2: “Contemplamos aquela ‘Mulher revestida de sol’ (Ap 12,1) que a Escritura nos descreve. Maria, a Mulher gloriosa do Apocalipse, traz na sua cabeça uma coroa de doze estrelas, que representam as doze tribos de Israel, todo o povo de Deus, toda a comunhão dos Santos, e conjuntamente tem aos seus pés a lua, imagem da morte e da mortalidade. Maria deixou a morte atrás de si; está inteiramente revestida de vida, a vida do Filho, de Cristo ressuscitado.

Assim, ela é o sinal da vitória do amor, do bem e de Deus, que dá ao nosso mundo a esperança de que tem necessidade” (Bento XVI. Homilia em Lourdes, 13/09/08).

T.: Senhor da Messe, ajudai-nos a suportar os sofrimentos que brotam no seguimento de Cristo. Que sejamos corajosos, humildes e totalmente disponíveis aos vossos desígnios, a exemplo de Maria.

Rezar um Pai-nosso e 10 Ave-Marias. 

(Concluir o terço conforme costume local. Sugere-se continuar o canto “Ave, cheia de graça”, de Pe. José Freitas Campos, com suas estrofes litânicas).

Fonte: Diário Vocacional Caminhos 2017 - IPV, p. 19-22)
 

WhatsApp

Precisa de ajuda?